Calendário da Paz
kin-Lua-11
kin-3-Gama.png
VINAL-16
tom2.png

Site do Movimento Mundial da Paz e Mudança ao Sincronário das 13 Luas

11/01/2013

2012-2013 Uma Visão

Por Stephanie South

2012: Fim do Tempo Linear
2013: Início de uma Nova Era Galáctica


Para os maias Galacticos, este (2012) é a realização de um grande projeto de engenharia no tempo ...
-José Arguelles

Quando José Argüelles começou a falar sobre a data de 21-12-2012, em meados de 1970, quase ninguém sabia o que ele estava falando. Quando O Fator Maia, foi publicado em 1987, foi lançada a data de 2012 na consciência das massas.

O objetivo Fator Maia era alertar as pessoas para a conclusão do ciclo da história, em 2012, e da grande mudança na consciência prevista para esta data. Este livro, juntamente com a Convergência Harmônica de 1987, colocou no mapa em 2012 a atenção do mundo também voltada para os maias.

Argüelles entendeu que o fechamento do Grande Ciclo marcou o ponto de entrada da nossa galáxia inteira para uma fase de sincronização harmoniosa inconcebível, criando uma mudança nos padrões que acaba afetando a nossa relação com nós mesmos e com o universo. Ele acreditava que 2013 seria o momento mágico de verdade, um momento de integração e estabilização a um nível superior de consciência, quando os seres humanos "provariam" seus poderes recém-despertados. Eu pensei que os seres humanos estavam destinados a tornar-se oráculos vivos adivinhação e com a capacidade de saber tudo ─ através da mente para sintonizar e ressoar com todos os níveis do ser.

Ele viajou o mundo várias vezes para promover harmonioso calendário de 13 luas de 28 dias e para ajudar as pessoas a quebrar o feitiço do pensamento linear / gregoriano, e ajudá-los a elevar suas mentes para o conhecimento galáctico em antecipação de uma mudança de freqüência para 21 / 12/2012. Ele acreditava que o conhecimento da humanidade unificada a galáxia era a chave para a compreensão, transformação e transcendencia da atual crise global.

A visão e a missão da vida de José Argüelles pode ser rastreada pela abertura do túmulo de Pacal Votan (Senhor Pakal) em Palenque em 1952. Este túmulo, com sua arte e simbolismo ímpar e o mistério do homem enterrado foi significativo na definição das causas da vida e missão de Josá Arguelles. (Aliás José morreu em março de 2011, apenas dois meses depois dos arqueólogos selarem a tampa do túmulo de Pacal para sempre).

Um ano após a abertura do túmulo de Pacal Votan, em 1953, o pai de José levou ele e seu irmão gêmeo, Ivan, a Teotihuacan, no México, onde, aos 14 anos, teve sua primeira visão no topo Pirâmide do Sol. No topo da pirâmide, teve uma experiência de luz branca sobre a sua missão na vida "para encontrar o conhecimento dos mestres que construíram e projetaram Teotihuacan e trazê-lo de volta para o mundo moderno." A partir desse momento, sua vida foi dedicada cada vez mais para a decodificação das matemáticas e profecias maias.

Para apreciar a abrangência de sua visão em relação à mudança de ciclo, vamos vê-lo em três níveis: nível galáctico, o nível científico e humano.

• Nível Galáctico: 21/12/2012 marca a conclusão do nosso sistema solar que passa por um feixe de sincronização galáctica.

• Ciência Nível: 2012 marca a conclusão da transição biosfera-noosfera, o termo científico para a atual crise global.

• Nível Humano: 2012 é o prazo final para a humanidade coletivamente mudar sua consciência.

Nível Galáctico

Argüelles entendeu que somos parte de um grande projeto de engenharia galáctica que é concebido a partir de uma outra dimensão. Percebeu que os os maias eram viajantes estelares galácticos que encarnaram aqui em um momento certo, para semear o planeta e deixar pistas da nossa existência planetária para esta etapa da nossa transformação. Ele acreditava que os Maias Galácticos (para não ser confundido com o Maias Classicos) eram mestres em viagem no tempo e telepatia e trouxeram a este planeta um sistema de astronomia matemática e calendários, que eram as jóias de um sistema de conhecimento específico.

No Fator Maia, Arguelles, propôs que o calendário maia é, na verdade, uma medida para avaliar a densidade de diferentes raios ou ondas. Ele concluiu que o que chamamos de Grande ciclo de 13 baktun é realmente a medida de um feixe de sincronização através da qual nosso sistema solar está passando. Este ciclo do raio começou em 3113 aC e termina em 2012 AD.

O feixe, com um diâmetro de 5.125 anos, começou em 13 de agosto de 3113 aC, uma data marcada pela contagem longa do calendário maia como 13.0.0.0.0, 4 Ahau. A data exata 13.0.0.0.0, 4 Ahau ocorrerá em 21 de dezembro de 2012, onde terão passados exatamente 1.872 mil dias, um ciclo de 13 baktuns de 144.000 dias cada. Mas esta é apenas a quinta e última parte de um grande raio de 26000-tun (25.625 anos) correspondente a uma fase completa da evolução.

De acordo com O Fator Maia, a missão Maia era garantir que os planetas e o sistema solar, estivessem sincronizados com o feixe galáctico para 21/12/2012. O efeito do raio na Terra é a aceleração da atividade humana no planeta. Isso é chamado de história registrada. Esta tecnologia também cria a tecnologia material. Para o final do feixe, onde estamos agora, a aceleração torna-se exponencial com 7 bilhões de seres humanos, as curvas exponenciais de dióxido de carbono, mudanças climáticas, extinção de espécies, guerra, seca, etc. Isto é o que chamou Argüelles como o clímax da história e da matéria, o fim do Baktun 13.

Como chegamos ao final do feixe, José previu que uma grande atualização evolutiva começaria a ser estabilizada no processo evolutivo da vida planetária em 2013. Neste ponto, a Terra será perfeitamente alinhado com o centro da galáxia na constelação de Sagitário. Antecipou um período de adaptação até que o feixe novo é introduzido gradualmente para o 26 de julho de 2013 ─ sincronização galáctica.

O primeiro conhecimento do raio ocorreu em 1986, enquanto meditava sobre os ciclos de manchas solares nas pirâmides de Coba. Ele tinha uma visão do ciclo de 13 baktuns como um tipo de feixe emanado através do Sol. Ele viu que este raio, era composto por cinco sub-ciclos de 1.025 anos (1040-tun) = 5.200 tun (5 x 1040) ou 5125 anos (5 x 1025) de comprimento. Ele percebeu que os raios são enviados a partir do centro da galáxia (Hunab Ku) e focalizado através do sol por um tipo de programa de rádio que coordena o ciclo das manchas solares.

Estes ciclos de manchas solares enviam informações solares a Terra através da sua exitação durante as atividades solares. Quando a energia do destes ciclos mudam a sua freqüência, o filtro (o sol) muda de consequentemente. As diferentes épocas registradas, representam as variações, ou diferentes etapas dos ciclos solares.


Arguelles compreendeu que os maias eram capazes de recolher pulsações solares e calibrar a incidencia entre a atividade solar e a atividade humana. Isto significa que puderam calibrar a atividade humana e vê-los mergulhar mais fundo no materialismo e distanciar-se ainda mais da natureza.


Compreendeu que o campo electromagnético é uma função controlada pelo ciclo de manchas solares. Ele comparou os ciclos de manchas solares com iniciações solares que afetam o campo eletromagnético, criando diferentes acelerações mentais ou mudanças de consciência. Este processo, que ele observou, representa as mudanças de tempo, pensamentos, e crenças ao longo da história.

Argüelles considerou que as manchas solares operaravam ciclicamente e são portadoras de informações de diferentes sistemas estelares e dimensões para o planeta Terra. O que chamamos de ciclo de manchas solares, ele percebeu como as pulsações das mentes dos mestres solares, o ahau kin . Suas mentes pulsam o ciclo de manchas solares em aproximados ciclos binários de 11,3 anos e, em seguida, mudam a polaridade aproximadamente a cada 23 anos. Quando estas manchas solares atingem o pico, é descarregada. As descargas massivas significam que o Sol passa por grandes iniciações internas. Naturalmente, o nosso ciclo de manchas solares atual estabelecerá o seu pico máximo em 2013.

Arguelles concluiu que o calendário sagrado “Tzolkin” de 260 unidades foi uma ferramenta usada pelos maias para gravar as manchas solares de pulsos binários, com seu ciclo de 13 unidades repetidas vinte vezes para um total de 260 dias. Dezesseis destes ciclos Tzolkin compreendem um período de 11,3 anos, o tempo que leva para que um ciclo binário esteja completo. O pulso binário está representado com oito Tzolkin´s, que ele desenhou em seu livro Terra en Ascenso (1983).

Ele percebeu que os chamados adoradores de sol em lugares como Tikal e Copan realmente estavam tomando leituras nas freqüências galácticas, quantificados através dos ciclos das manchas solares e as gravando em monumentos de pedra ou estelas. Sentia que esta era a chaves das previsões Aztecas do advento do sexto sol asteca de consciência.

Ele também descobriu que o Tzolkin é um harmônico do Grande Ciclo, e pode ser usado para rastrear todo o ciclo histórico de 5.125 anos, como se estivesse medindo não a gestação individual, mas a gestação de espécies, já que cinco grandes ciclos ascendem a 26.000 tuns, um fractal do ciclo da gestação humana de 260 dias. Ele chamou a essa distribuição da onda harmônica da história, a estrutura de informações reais do feixe, que ele sentiu como um código chave revelando o sentido do nosso próprio dilema planetário.



Nível científico: Lei do Tempo e da transição biosfera-noosfera

Arguelles considerou que 2012-2013 é considerado o momento da transição biosfera-noosfera, uma teoria originalmente proposta pelo geoquímico russo Vladimir Vernadsky. Neste contexto, o ciclo de 5.125 anos é apenas um instante de tempo geológico e, assim, pode ser visto como uma fase de mutação. A fase de mutação da biosfera completa, começa uma nova etapa da evolução: a noosfera.

A transição biosfera-noosfera está diretamente relacionada com a descoberta de Argüelles, em 1989, a Lei do Tempo, que faz uma distinção entre o tempo artificial e o tempo natural. A lei do tempo afirma que a galáxia e tudo nela se mantém unido por uma freqüência de tempo comum, uma constante de proporção 13:20 que mantém tudo em um estado unificado através da sincronização. Esta proporção 13:20 pode ser encontrada no corpo humano, com suas 13 articulações principais e os 20 dedos das mãos e dos pés.

Em contraste, a civilização moderna opera numa frequência de tempo artificial, uma frequência de tempo mecânica e irregular, a proporção 12:60 (calendário de 12 meses e relógio de 60 minutos) esta é a frequencia artificial, que é um paradigma real ou sistema de crenças em que a raça humana vive. Este sistema de crença é mantido em seu lugar pelo calendário gregoriano do Vaticano, que cria o paradigma mundial de tempo é dinheiro.

Estes números 1260 e 1320 são as chaves para a descoberta da Lei do Tempo e da profecia de Pacal Votan. A tumba de Pacal Votan foi selada a exatamente 1260 anos antes que fosse aberta (692-1952 dC). E em 2012, 1.320 anos se passaraão desde a sua consagração. (1320 também é um anagrama de 2013).

Arguelles observou que a Terra inteira estava encapsulada nesta freqüência mecânica artificial que está destruindo nosso planeta por perturbar a homeostase que mantém tudo em equilíbrio. Quando a homeostase é perturbada o suficiente, então a mudança é inevitável.

Ele sentiu que a crise que o mundo está enfrentando é o efeito da transição biosfera-noosfera, a mudança caótica e dissipadora que nos levará a nova ordem global da realidade. Em um artigo de 2009, escreveu:


"... Quando falamos sobre o advento da noosfera, estamos nos referindo à revelação da mente de um novo campo holográfico fractal ─ cosmicamente gerado para substituir o antigo. Tudo o que seria necessário para que isso ocorra é uma interrupção momentânea no campo eletromagnético do planeta, causado por uma imenssa Ejeção de Massa Coronal, ou até mesmo uma mudança no magnétismo polar do Sol. Nessa ruptura momentânea do campo eletromagnético da Terrestre, muitas crenças negativas condicionadas (memórias) poderiam ser apagadas, ou seriamente codificadas , e, mais significativamente, o funcionamento de um novo fractal do campo holográfico poderia, ajustar-se instantaneamente. Assim, a próxima onda de inteligência evolutiva cósmica poderia ser revelada."

Nível humana: 13 Calendário Lua

Com o conhecimento do projeto de engenharia galáctico e da descoberta da Lei do Tempo, Argüelles sentiu que era seu dever ajudar a educar a humanidade para uma nova consciência de sincronização. Ele observou que a maioria dos problemas do mundo de hoje são o resultado de colocar a nossa confiança nas leis humanas e nas tecnologias da máquina, em vez de confiar na lei natural do cosmos.

Apartir de seus estudos aprofundados sobre os diferentes calendários no mundo e o calendário maia, Argüelles concluiu que um calendário é um dispositivo de programação em que a sociedade que o usa cria o seu campo de influência psíquica e organiza sua vida coletiva.

No calendário gregoriano, há pouca ordem ciclica ou periódica. Os meses são desiguais, o comprimento do mês não está correlacionada com o número de semanas de sete dias, e os números são alteradas a cada mês. De nenhuma ordem cíclica ou periódica, surge a civilização confusa ou caótica.

Ele viu que, como espécie nos desviamos da sincronicidade, e nos distanciamos da nossa sintonia natural com o cosmos e adotmaos um modo linear de operação. A questão era: como quebrar o hábito de tempo linear? Como temos acesso ao conhecimento galáctico?


Seguindo as pistas deixadas pelos maias, José descobriu a ordem sincrônica, um conjunto sistemático de códigos matemáticos que revela o grande padrão evolutivo. Ele chamou esses códigos do Encantamento do Sonho. Ele descobriu que a maneira mais simples de acessar esses códigos da matemática era através do uso diário da matriz de 13 Luas de 28 dias. Tão simples como parece, tem profundas implicações, tanto que ele viajou várias vezes pelo mundo levando esta mensagem a todos os continentes. Ele se referiu a este calendário como um "sincronario" ou medida de sincronicidade, em vez de calendário (derivado de calendas que significa livro de contas).

O calendário de 13 Luas é um ciclo solar-galáctico que articula o ciclo tridimensional solar de 365 dias com o ciclo de quatro dimensões galáctico de 260 dias (tzolkin) a cada 52 anos. Pode ser usado como um intermediário entre a mente e o ser e da experiência de forma e o processo da consciência galáctica. O uso diário ajuda a introduzir a consciência no limiar da consciência galáctica.


O calendário de 13 Luas é executado comprecisão em um programa de ciclos solar galáctico de 52 anos e se correlaciona com a data tradicional da saída helicoidal de Sirius, em 26 de julho. Demora cerca de 52 anos para Sirius B orbitar Sirius A. Sirius, por sinal, é uma estrela binária foi descoberto em 1926, o mesmo ano em que foi cunhado o termo "noosfera".

Sendo naturalmente quadridimensional o calendário de 13 luas também serve como uma matriz mestre de sincronização de modo que qualquer outro sistema de calendário pode ser conectado a ele. Este programa proporciona a matriz do que Argüelles se refere como a ordem sincrônica.

A chave para o ciclo de 13:28 também pode ser encontrado na parte superior do túmulo de Pacal Votan e no Tzolkin. Há treze sinais claros esculpidas ao longo das quatro bordas da tampa do sarcófago do túmulo. A borda sul da tampa contém dois glifos: Kin 60, que representa a encarnação de Pacal e Kin 58, representando a desencarnação. A borda oriental da tampa contém um conjunto de quatro selos e um conjunto de dois. Os números dos tons do primeiro conjunto de quatro selos somam 28, e os números dos tons do segundo conjunto de selos, somam 13. Argüelles considerou que isso demosntrava o código do calendário 13 Luas de 28 dias. (Como a sincronicidade determinou, José morreu exatamente 1328 anos depois da morte de Pacal Votan em AD 683).

O objetivo do calendário de 13 Luas é ajudar os seres humanos a mudarem a freqüência. Seguindo uma medida ciclica, harmonica, a consciência humana poderá entrar em uma norma não linear de tempo, e para isso não necessitará de uma grande teoria, simplesmente deverá seguir diariamente um ciclo galáctico.

Para difundir a mensagem das 13 luas e do tempo galáctico, ele, com a ajuda de sua esposa, criou o Movimento Mundial de Paz e de Mudança ao Calendário das 13 Luas, um movimento de paz centrado na Terra adotando como seu símbolo a Bandeira da Paz de Nicholas Roerich. Como resultado, o calendário de 13 Luas se espalhou em mais de 90 países em todo o mundo.

Em janeiro de 2010, por seu trabalho ao longo da vida como um ativista pela paz mundial, ele recebeu a mais alta honraria do Comitê Internacional da Bandeira da Paz na Cidade do México: a Medalha da Paz de Nicholas Roerich .
A essência de sua mensagem era: a civilização humana está vivendo uma vida artificial que está destruindo a biosfera. Para reverter essa situação se requer um retorno coletivo ao tempo natural em reverência à Terra, onde o tempo não é dinheiro, mas o tempo é arte, José escreveu:

"... Os antigos maias previram que o próximo ciclo evolutivo seria a verdadeira idade solar. Imaginaram o ano 2012 como o ponto de entrada, ou a porta de uma humanidade purificada pronta para a nova era solar. Ele tinha razão. O Sol está passando por uma grande transformação neste momento, alterando a própria natureza da vida na Terra. Para que possamos sobreviver, temos que despir-nos-. Instalar-nos no jardim, e aliviar a nossa carga. Na Nova Era Solar aprenderemos que as ondas dos nossos pensamentos telepáticos, são realmente sinais solares, e que nossa evolução mental através da noosfera é para nos preparar para a intensa jornada da alma. Todos seremos como um ser com bilhões células autônomos que trabalham em conjunto para atingir a iluminação. Veremos que somos o planeta , saberemos que é o planeta que está se iluminando, e nosso trabalho é fazer uma iluminada obra de arte - um planeta de arte, uma joya da galaxia”.
Desfazer edições